INCT cadastro | login | dúvidas 
Biogeografia da Flora e Fungos do Brasil  
 Busca por nome científico:  

  Pycnoporus sanguineus (L.) Murrill

1° Procedimento de modelagem histórico

Situação: modelo aprovado n° de pontos: 47

Modelo final: Consenso Maxent, GARP BS, ENFA, Mahalanobis, SVM

Omissão interna: 2,1% 

Observações sobre o modelo
Pycnoporus sanguineus é uma espécie amplamente distribuída em regiões tropicais e subtropicais do mundo todo (http://data.gbif.org/species/5246472), ocupando troncos em decomposição em áreas abertas com bastante incidência de luz solar. É facilmente reconhecida em campo e o número de registros de ocorrências disponíveis na rede speciesLink (N=594 em 21/05/2013) indica que ela foi amplamente coletada no Brasil. Contudo, cerca de 75% dos registros (N=444) não possuem informações primárias sobre coordenadas geográficas. Dos registros que possuem alguma informação sobre latitude e longitude (N=150), apenas 47 foram selecionados para a modelagem, ou seja, cerca de 7,9% do total. Ainda que esse número de pontos seja suficiente para permitir a inclusão de todos os algoritmos disponíveis no Biogeo, o modelo de distribuição potencial dessa espécie pode ser considerado preliminar porque existem ainda grandes lacunas de registros com coordenadas geográficas disponíveis, consequentemente influenciando a qualidade final do modelo de consenso. É muito improvável que Pycnoporus sanguineus não ocorra na maior parte do Brasil. Dos pontos utilizados neste procedimento de modelagem, embora existam alguns pontos na região Sul, Norte e Centro-Oeste, há uma concentração acentuada de pontos na região Nordeste, relacionada com a boa prática de pesquisadores dos centros de pesquisa em Micologia na UFPE, UEFS e UFPB que vêm incorporando nos últimos anos dados georreferenciados às suas coleções (URM, HUEFS e JPB, respectivamente). Dados futuros permitirão reavaliar estes resultados. Recomenda-se que os pesquisadores e alunos tenham a preocupação de obter informações geográficas em campo utilizando aparelhos de GPS, incorporando os dados nos herbários que fazem parte da rede speciesLink.
  • GARP BS (runs=100)
    • modelo original
    • modelo binário
  • ENFA
    • modelo original
    • modelo binário
  • Distância Mahalanobis
    • modelo original
    • modelo binário
  • Maxent
    • modelo original
    • modelo binário
  • SVM one-class (Nu=0.05)
  • Consenso
Como citar: Braga-neto, R. 2013 Pycnoporus sanguineus (v1) in Biogeografia da Flora e dos Fungos do Brasil. INCT Herbário Virtual (http://biogeo.inct.florabrasil.net/proc/4582).
Condições ambientais nos pontos de ocorrência
Variável Mínimo Máximo    
Precipitação no trimestre mais úmido do ano 195,0 1096,0 mm ver
Precipitação no trimestre mais seco do ano 0,0 534,0 mm ver
Precipitação no trimestre mais quente do ano 122,0 625,0 mm ver
Precipitação no trimestre mais frio do ano 0,0 1096,0 mm ver
Variação média de temperatura ao longo do dia 6,0 14,4 °C ver
Temperatura máxima no mês mais quente do ano 24,3 35,8 °C ver
Temperatura mínima no mês mais frio do ano 6,4 22,5 °C ver
Altitude 13,0 1032,0 m ver
Validação cruzada do tipo 10-fold
Algoritmo
AUC ? (ordem crescente)
AUC
média
omissão
média
Consenso Maxent, GARP BS, ENFA, Mahalanobis, SVM0,81 0,84 0,84 0,94 0,97 0,97 0,97 0,98 0,98 0,99 0,936,5%
Distância Mahalanobis0,69 0,74 0,79 0,79 0,86 0,86 0,89 0,89 0,89 0,99 0,844,5%
ENFA0,84 0,85 0,86 0,88 0,91 0,91 0,95 0,96 0,97 0,98 0,912,5%
GARP BS (runs=100)0,63 0,70 0,74 0,76 0,79 0,81 0,87 0,89 0,89 0,99 0,816,5%
Maxent0,38 0,41 0,42 0,52 0,56 0,59 0,63 0,68 0,69 0,71 0,5613,0%
SVM one-class (Nu=0.05)0,73 0,73 0,78 0,78 0,79 0,88 0,88 0,89 0,98 0,98 0,8428,0%